Podence protesta contra encerramento do jardim de infância

Imagem meramente ilustrativa

Os pais das crianças que frequentam o Jardim de Infância de Podence, em Macedo de Cavaleiros, estão revoltados contra a decisão de o encerrar já no próximo ano letivo.



Entre as justificações está a falta de segurança para as crianças, criada pelo aumento da afluência de turistas à aldeia, graças ao protagonismo alcançado pelos Caretos de Podence.

Os pais juntaram-se em frente ao jardim de infância para protestar contra a decisão. Laura Pascoal, porta-voz encarregados de educação, garantiu que vão “até onde for preciso” para garantir a continuidade da escola.

O jardim de infância tem, atualmente, 14 crianças. Uma é de Podence e as restantes das aldeias limítrofes. O encerramento obrigaria à deslocação para a sede de concelho, o que para alguns fica a “cerca de uma hora de viagem”.

Alguns habitantes de Podence também se juntaram ao protesto. Um deles foi Luís Filipe que acredita que por trás do encerramento da escola estão fins turísticos, nomeadamente o projeto que existe para fazer nascer naquele espaço “uma Oficina do Careto”.

O presidente da Junta de Freguesia de Podence e Santa Combinha, João Alves, diz que não foi consultado acerca deste encerramento, com o qual não concorda. “Logicamente sou contra a decisão. Até porque o jardim já esteve encerrado em 2001 e fui eu que o reabri”, sublinha.

A autarquia de Macedo de Cavaleiros enviou uma nota às redações, na qual a vereadora da educação, Sónia Salomé, refere que o fecho daquele jardim de infância “visa proteger o superior interesse das crianças”, criando melhores condições de “proteção, segurança e sociabilização”. São argumentos que estiveram na base da proposta do Conselho Municipal de Educação de Macedo de Cavaleiros para o encerramento.

De acordo com a vereadora, “o crescente número de turistas a visitar a aldeia, assim como a utilização de espaços comuns ao do jardim de infância, levantava sérias reservas à segurança” daquelas crianças.

Refere ainda que “a intervenção feita no início do ano letivo para melhorar a eficiência energética daquele edifício se revelou insuficiente para criar melhores condições ao jardim de infância”.

Na mesma nota, acrescenta que o encerramento daquele equipamento escolar decorre do reordenamento e reajuste da Rede Escolar de Educação Pré-Escolar e das Escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico promovido pela Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), que comunicou a decisão final à autarquia a 05 de maio e que o encerramento vai acontecer no final deste ano letivo.

Rádio Ansiães com Rádio Onda Livre

Ouça aqui a notícia da Julieta Carneiro:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.