Defesa de arguido no caso Giovani diz que o estudante cabo-verdiano morreu da queda numas escadas

Começaram hoje a ser julgados os sete arguidos acusados de homicídio qualificado no caso Giovani, em Bragança. O Ministério Público considera que foram os autores das agressões que, no final de 2019, levaram à morte do jovem cabo-verdiano.

Na primeira sessão do julgamento, que decorre na sala de audiências do Nerba, em Bragança, os sete acusados mostraram intenção de falar. O primeiro foi Bruno Fará. Afirmou que não agrediu a vítima, mas admitiu ter batido com um pau num dos companheiros de Giovani.

Já o segundo a ser ouvido, esta tarde, Jorge Liberato, afirmou que não agrediu ninguém naquela madrugada.

O advogado de um dos arguidos afirmou que não foram as agressões ao jovem estudante cabo-verdiano que provocaram a morte, mas uma queda numas escadas. O advogado Ricardo Cavaleiro disse que a defesa vai sustentar esta tese:

Já o advogado dos pais de Luís Giovani Rodrigues, Paulo Abreu, insistiu que foram as agressões na madrugada de 21 de Dezembro de 2019 que provocaram a morte do jovem de 21 anos:

A defesa pediu uma indemnização civil. O pai de Luís Giovani constitui-se assistente no processo e vai ser inquirido como demandante civil, mas a data dessa sessão ainda não está designada.

Giovani Rodrigues foi agredido na madrugada de 21 de dezembro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *