Corte de árvores em Vila Real alvo de contestação por parte de moradores

Avenida Carvalho Araújo em Vila Real vai sofrer uma produnda remodelação
Foto: Eduardo Pinto

As obras de remodelação que incluíram o abate de árvores na Avenida Carvalho Araújo, em Vila Real, começaram segunda-feira e não tardou a contestação.

Sobretudo nas redes sociais, que foram inundadas de fotografias e comentários, muito deles coléricos, contra a intervenção da Câmara Municipal.

Esta tem apelado à calma, convencida que as opiniões vão mudar quando o novo visual for inaugurado, na primavera de 2021.

Na rua, as opiniões são mais moderadas. A Nuno Costa, 41 anos, custou ver tudo sem árvores”, mas recusa entender a intervenção como um crime:

Nuno Costa salienta que algumas coisas não estavam bem e que era preciso resolvê-las. É o caso da irregularidade do piso nos passeios, exemplifica José Sampaio, 69 anos, que, todavia, está contra o que diz ser a descaraterização da avenida:

Hermínia Gouveia, 67 anos, não concorda com José Sampaio. Entende que é preciso acompanhar a evolução dos tempos:

Esta opinião condiz com a de António Pinto, 73 anos, que já estava farto de ver uma avenida praticamente intransitável para peões, por causa das raízes das árvores e dos passeios irregulares:

Por seu lado, o vereador de Vila Real Adriano Sousa refere que aceita com naturalidade a diversidade de opiniões e explica que a nova avenida Carvalho Araújo vai ser uma avenida condizente com o século XXI:

Imagem ilustrativa do que vai ser a futura Avenida Carvalho Araújo de Vila Real


Por isso, as obras em curso vão dar uma nova mobilidade e inclusão social à cidade:

Adriano Sousa salienta ainda que a nova avenida Carvalho Araújo de Vila Real vai ter mais árvores do que as que foram cortadas esta semana:

Na zona da antiga estação ferroviária também há obras a decorrer. Algumas árvores caíram por causa dos ventos provocados pela tempestade Elsa, mas outras tombaram na sequência de fragilidades provocadas pelos trabalhos.

Poda das árvores no Jardim da Estação também é contestada | Foto: Eduardo Pinto


O vereador Adriano Sousa admite que em alguns casos houve incúria do empreiteiro:

Luís Martins, investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, contrapõe que as árvores do jardim da estação ficaram fragilizadas por causa da intervenção:

Luís Martins nota ainda que a culpa não pode ser apenas do empreiteiro. Numa carta enviada à Câmara, o especialista em patologia florestal alertou, também, para as podas completamente erradas que foram feitas:

Luís Martins, especialista em patologia florestal e investigador da UTAD sobre a intervenção feita no jardim da estação de Vila Real, no âmbito das obras de beneficiação daquela zona da cidade. Mesmo assim, menos polémicas do que as que estão a decorrer na Avenida Carvalho Araújo, a sala de visitas da cidade.

Rádio Ansiães

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *