Moscatel rende 20 milhões por ano ao concelho de Alijó

Vinho moscatel é um dos principais produtos do planalto de Alijó | Foto: Eduardo Pinto

As uvas da casta moscatel rendem a Alijó “mais de 20 milhões de euros anuais”. Revelação feita pelo presidente da câmara, José Paredes. A casta é cultivada no planalto alijoense “há mais de 200 anos”.

É utilizada, principalmente, para produzir vinho licoroso, mas também para vinhos de mesa. “É um dos principais motores da nossa economia”, salienta o autarca.

O moscatel do concelho ganhou fama, sobretudo, através da Adega Cooperativa de Favaios, que representa “75% dos 20 milhões” de faturação anual. O presidente, Mário Monteiro, diz que o segredo é “produzir sempre com qualidade”. “Nunca caímos na tentação de, por se vender mais, aldrabar o vinho”, acrescenta.

Por outro lado, tem sido preponderante a “promoção de qualidade feita ao moscatel”, nomeadamente à marca Favaíto, bem como o facto de a adega ter sido totalmente profissionalizada. “Percebemos desde muito cedo que não podíamos andar aqui com amadorismos”, realça Mário Monteiro.

A Adega de Favaios ganhou notoriedade com o moscatel, mas produz outros vinhos. “O nosso vinho do Porto de 10 anos foi considerado, na semana passada, na China, o melhor vinho do Douro em prova”, orgulha-se o líder da cooperativa, que tem 600 associados.

Eduardo Pinto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close