Douro quer promover e valorizar o seu azeite

Foto: Eduardo Pinto

O Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Douro foi constituído em Tabuaço e pretende avançar com o processo de Denominação de Origem Protegida (DOP) para o azeite produzido neste território.

Numa primeira fase, junta cerca de 20 entidades, entre autarquias, associações, cooperativas e empresas.

O presidente da Câmara de Tabuaço, Carlos Carvalho entende que a certificação do azeite do Douro “é importante para criar valor acrescentado na marca, no produto e em quem o produz” e poderá ajudar a “incrementar as vendas do azeite duriense”.

“Sabemos que temos um produto de excelência, que reúne qualidades únicas, mas ainda não se reflete na realidade económica da nossa região. A excelência dessa qualidade não é proporcional à valorização económica que este produto tem”, salientou.

O autarca disse que acredita que a certificação DOP ou IGP poderá abrir as portas a novos mercados, aumentando o volume de exportações bem como os preços de venda.

Carlos Carvalho explicou ainda que o Centro vai ficar responsável pela elaboração “do caderno de encargos que permitirá definir as características do azeite e de todos os condicionalismos necessários para que possa ser certificado”.

De momento, apenas existe a DOP do “Azeite de Trás-os-Montes” que engloba alguns concelhos durienses, tais como Vila Flor, Vila Nova de Foz Côa, Carrazeda de Ansiães e Murça.

Por Rádio Ansiães/Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *